LGPD

Gastos com a LGPD geram créditos de PIS e COFINS?

A Lei Geral de Proteção de Dados (Lei n° 13.709/2018) impõe às empresas uma série de obrigações relacionadas à guarda de informações e dados pessoais de terceiros, protegendo, assim, seus direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.

Por conta disso, os contribuintes vêm entendendo que os gastos dispendidos com a implementação das obrigações impostas pela LGPD são insumos para fins de créditos de PIS e COFINS, pois se tratam de investimentos obrigatórios que, se não observados, sujeitam-se à aplicação de sanções.

Isso porque o Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial n° 1.221.170, definiu que o conceito de insumos deve ser analisado à luz dos critérios de essencialidade ou relevância, ou seja, considerando-se a imprescindibilidade ou a importância de determinado bem ou serviço para o desenvolvimento da atividade econômica desempenhada pelo contribuinte.

Ocorre que, como a Receita Federal do Brasil tem restringido o conceito de insumos para fins de créditos de PIS e COFINS, o contribuinte se vê obrigado a procurar o judiciário para reconhecer o seu direito.

Recentemente, no dia 08 de julho de 2021, o Juiz Federal da 4ª Vara Federal de Campo Grande, ao analisar a matéria, proferiu sentença favorável aos contribuintes, reconhecendo que os gastos dispendidos com a LGPD se enquadram no conceito de insumos para fins de créditos de PIS e COFINS.

Compartilhar

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Soluções personalizadas com foco nos objetivos do cliente e na maximização de seus resultados.

Horários

Segunda à Sexta
das 08:30 às 18:00

Telefones

(41) 99961-4247
(41) 3033-6336

Endereço

R. Dr. Roberto Barrozo, 763 – Centro Cívico Curitiba – PR, 80520-070

E-mail

msv@msv.adv.br

 

© 2019 MottaSantos & Vicentini – Todos direitos reservados. Desenvolvido por 3MIND.